domingo, 5 de dezembro de 2010

Vinícius de Moraes

Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.
 
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.
 
Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.
Bjssss....
 

3 comentários:

Cintia Branco disse...

Eliane,

Que triste! Vim te desejar uma ótima semana, e dizer que mesmo sumida, sinto falta desse mundo todo.
beijos

Crie Art Biscuit disse...

E assim é a vida... que segue constante as vezes errante porém não pode deixar de ser radiante....
Bjus no coração!

Maria Luiza disse...

Ai! Eliane, este poema eu o elegi para o álbum do meu Tony, no Orkut, depois de sua morte.Amo Vinicius e Cecília Meireles. Bjbjbjbj.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...